MICHEL ODENT

Michel Odent é um renomado cirurgião francês que tem dedicado a maior parte de sua vida ao estudo do “período primal” (a vida fetal, parto e o primeiro ano de vida). Odent esteve no comando das unidades cirúrgicas e da maternidade do Hospital de Pithiviers (França) entre 1962 e 1985, onde desenvolveu um interesse especial em fatores ambientais que influenciam o processo de nascimento. Ele introduziu conceitos inovadores tais como salas ‘familiares’ e acolhedoras para parto, piscinas de parto em maternidades e sessões de canto para mulheres grávidas. Depois de sua carreira hospitalar, ele se envolveu com parto domiciliar. Posteriormente, fundou o Centro de Investigação em Saúde Primal em Londres, criando um banco de dados (primalhealthresearch.org), a fim de compilar estudos epidemiológicos. Estes estudos exploram correlações entre o que acontece durante o “período primal” e a saúde na idade adulta e crescimento. Com 14 livros e mais de 50 artigos científicos publicados, entre essas publicações: o  primeiro artigo cientifico sobre a importância da amamentação na primeira hora após o nascimento, o primeiro artigo sobre o uso de piscinas durante o parto, e o primeiro artigo sobre a ” Teoria de controle da dor ”  e sua aplicação no trabalho de parto.

Desde Phitiviers, Odent vem pesquisando e se interessando pela fisiologia do parto e amamentação. Quando falamos de fisiologia trabalhamos com um ponto de referência do qual não devemos nos afastar. Odent trabalha em especial com a questão do antagonismo entre os hormônios da família da adrenalina, que são liberados a partir da atividade do neo-córtex e a liberação dos “hormônios do amor” a partir do cérebro primitivo que são necessários para o parto e nascimento assim como para outros eventos da vida sexual como a amamentação e a própria relação sexual. Compreendendo o parto e nascimento como processo involuntário comandado pelo cérebro primitivo, Odent propõe que a principal função de quem assiste aos partos é proteger o ambiente para que as mulheres possam liberar os hormônios necessários em especial a ocitocina e as endorfinas, que sabemos são hormônios tímidos que dependem do ambiente para sua liberação. Tendo como ponto de partida o que já conhecemos sobre o estimulo neocortical, Odent define então as “necessidades básicas das mulheres em trabalho de parto”:

  • Luz: deve ser baixa e não clara, a luz estimula a atividade do neocórtex.
  • Deve-se evitar a Linguagem verbal, pois ela é forte estimulante do neocórtex
  • A mulher deve se sentir segura para que possa liberar o “coquetel de hormônios do Amor”
  • Evitar situações que impliquem liberação de adrenalina como frio ou situações que possam provocar medo
  • Privacidade – não se sentir observada é fundamental para a liberação hormonal